Resíduo

Aparas de madeira configuram novas formas e incitam novas ideias.

Varrer o piso da oficina após um dia exaustivo de trabalho. Pó, poeira, serragem, cavaco. Sobras. Aparas de madeira configuram novas formas e incitam novas ideias. Resíduos da produção de um projeto recente, das mãos do artífice que deslizaram sobre a matéria, que a moldaram segundo sua necessidade de expressão. Mãos que aprendem continuamente o ofício escolhido, mãos que se relacionam com a matéria em uma simbiose plena de empatia, cumplicidade, humildade e harmonia.

O óleo dá lustro à peça recém terminada, etapa final de acabamento após a infindável sequência de lixas.

Antes delas, as lixas, os encaixes precisos seguiram a sequência lógica de uma montagem que não dá espaço à imprecisão. Serras, serrotes, plainas, formões e goivas delineiam na prancha bruta de madeira seu formato final, suas curvas, espigas, furos, sua função na composição da peça idealizada. A ideia. Ela brota como um afluente de um rio caudaloso, pleno de imagens, memórias de sensações, vivências e encontros, pleno de substratos colhidos ao longo de toda uma vida. Ao afluente se deslocam algumas dessas memórias, condensadas na manifestação corpórea, palpável de um novo objeto.

Julia Krantz

Deixe uma resposta