carregando

Abrir detalhes

Ateliê Julia Krantz

Madeiras

Cedro

Cedrela sp

Ocorre da floresta amazônica ao sul do país, dependendo da espécie de cedro (as principais são: Cedrela odorata, Cedrela angustifólia, e Cedrela fissilis). Madeira leve; cerne bege-rosado-escuro a castanho-avermelhado;; textura grossa; grã direita; cheiro agradável, gosto ligeiramente amargo; resistência moderada ao ataque de organismos xilófagos.

Indicada para móveis, embalagens decorativas, molduras de quadros, obras de entalhe, instrumentos musicais; na construção civil, empregada em rodapés, venezianas, guarnições, construção naval.

cedro-arvore
cedro-madeira

Freijó

Cordia goeldiana

Ocorre com frequência no Pará. Madeira moderadamente pesada, cerne pardo-claro-acastanhado; uniforme; textura média; grã direita; cheiro peculiar pouco acentuado; gosto imperceptível; resistência moderada ao ataque de organismos xilófagos.

Indicada para móveis finos, folhas, lambris e painéis; na construção civil, adequada para caixilhos, persianas, molduras e guarnições.

freijo-arvore
freijo-madeira

Ipê amarelo

Tabebuia spp

Ocorre nos estados do Paraná, Minas Gerais e São Paulo. Madeira muito pesada e muito dura ao corte; cerne castanho-claro, com reflexos amarelados ou esverdeados; textura fina; grã irregular a revessa; cheiro e gosto imperceptíveis; alta resistência ao ataque de organismos xilófagos.

Indicada para acabamentos internos, bolas de boliche, cabos de ferramentas; na construção civil, empregada nas estruturas, dormentes, cruzetas, esquadrias, degraus e assoalhos.

ipe-amarelo-arvore
ipe-amarelo-madeira

Ipê roxo

Tabebuia impetiginosa

Ocorre do Ceará até o Paraná, em matas pluviais. Madeira muito pesada e muito dura ao corte; cerne pardo-acastanhado, uniforme; textura fina e uniforme; grã direita ou revessa; cheiro e gosto imperceptíveis; alta resistência ao ataque de organismos xilófagos.

Indicada para acabamentos internos, bolas de boliche, cabos de ferramentas; na construção civil, empregada nas estruturas, dormentes, cruzetas, esquadrias, degraus e assoalhos.

ipe-roxo-arvore
ipe-roxo-madeira

Jatobá

Hymenaea stilbocarpa

Ocorre em todo o país, tanto em matas pluviais como secas. Madeira muito pesada e muito dura ao corte; cerne variável quanto à cor, de castanho-claro-rosado a castanho-avermelhado; textura média uniforme; grã regular e irregular; cheiro e gosto imperceptíveis; resistente ao ataque de organismos xilófagos.

Indicada para móveis, artigos esportivos, peças torneadas, carrocerias, vagões; na construção civil, em estruturas, caixilhos, assoalhos, dormentes e cruzetas.

jatoba-arvore
jatoba-madeira

Muiracatiara Rajada

Astronium lecointei

Ocorre na região amazônica, especialmente no Pará. Madeira muito pesada e dura ao corte; cerne avermelhado a castanho-escuro, com estrias mais escuras; textura média; grã irregular; cheiro e gosto imperceptíveis; resistente ao ataque de organismos xilófagos.

Indicada para móveis, objetos de adorno, cabos de ferramentas; na construção civil se adequa à ripas, caibros, tacos e assoalhos, painéis, caixilhos e venezianas.

Muiracatiara-arvroe
muiracatiara-madeira

Roxinho

Peltogyne angustiflora

Ocorre de São Paulo ao Maranhão, nos cerrados ou matas semidecíduas. Madeira pesada, dura ao corte; textura fina; grã irregular; cerne vermelho-arroxeado; alta resistência mecânica e a ataques de organismos xilófagos.

Indicada para móveis, ebanisteria, tacos de bilhar, cabos de ferramentas; na construção civil se presta bem a dormentes, postes, estacas, pontes, assoalho entre outros.

roxinho-arvore
roxinho-madeira

Sucupira

Bowdichia nitida

Ocorre com maior frequência no Pará e em Rondônia, em mata de terra firme. Madeira pesada e dura ao corte; cerne pardo-acastanhado e castanho-escuro; textura média a grossa; grã revessa; aspecto fibroso acentuado; cheiro e gosto imperceptíveis; resistente ao ataque de organismos xilófagos.

Indicada para móveis e objetos de adorno; na construção civil é empregada em dormentes, vigas e caibros, assoalhos, portas e esquadrias em geral.

sucupira-arvore
sucupira-madeira

Sumaúma

Ceiba pentandra

Ocorre em toda a bacia amazônica, nas matas inundadas e de terra firme. Madeira muito leve e macia ao corte; cerne e alburno indiferenciados quanto à cor, bege a castanho-claro-rosado; textura grossa; grã direita; cheiro e gosto imperceptíveis; baixa resistência natural ao ataque de organismos xilófagos.

Indicada para a fabricação de barcos, pequenas caixas, jangadas, brinquedos, aeromodelismo e painéis.

sumauma-arvore
sumauma-madeira

Informações retiradas dos livros:

Fichas de Características das Madeiras Brasileiras” – IPT – Calvino Mainieri e João Peres Chimelo – SP, 1989

Árvores Brasileiras – Manual de Identificação e Cultivo de Plantas Arbóreas Nativas do Brasil” – Harri Lorenzi – SP, 2002